Depoimentos

Leia alguns depoimentos de nossos pacientes a respeito do tratamento

L.M.R. 39 anos | Ibirubá/RS - Setembro de 2017

Em outubro de 2016 descobri que estava grávida de 4 semanas, primeiramente foi um susto, porém com o passar dos dias me apaixonei pela ideia. Passada algumas semanas comecei a senti fortes dores abdominais e pequenas perdas de sangue. Em novembro tive um aborto espontâneo.

Após um exame de ressonância magnética descobri que estava com 7 miomas, alguns deles bem grandes. Meu ginecologista disse que foi um milagre eu ter engravidado, pois meu útero estava quatro vezes maior que o tamanho normal, explicou os procedimentos mais comuns e me falou que em algumas centros maiores havia um procedimento chamado embolização. Imediatamente fui para a Internet procurar sobre embolização. Aqui no Rio Grande do Sul o nome que apareceu como referencia foi o da Dra Lindalva. Liguei para seu consultório consegui uma consulta para o mês seguinte.Fui muito bem atendida, a Dra explicou bem como o procedimento funcionava, quais o benefícios, praticamente sem riscos, me deixando bem segura. Marcamos o procedimento para o dia 30 de janeiro de 2017 no Hospital Moinhos de Ventos. Procedimento tranquilo, indolor. Fiquei um dia hospitalizada.Uma semana de repouso e retornei a minha rotina aos poucos. Em Maio quando fiz a primeira ressonância de monitoramento 4 miomas já haviam reduzidos 90% e os outros 3miomas 80%. Meu útero estava voltando ao tamanho normal. Meu abdômen reduziu , as dores na bexiga que eu sentia antes também.

Em setembro de 2017 quando me preparava para fazer o 2º exame de monitoramento, 8 meses após a embolização descobri que estava grávida novamente. Dessa vez muito diferente, sem dor, sem sangramento transcorrendo tudo normal. A Dra Lindalva continua me acompanhando juntamente com meu ginecologista.

Estou com 4 meses de gravidez e muito feliz. Na primeira ecografia obstetrícia que fiz, mesmo grávida os miomas não aumentaram.

Só tenho a agradecer a Dra.Lindalva e dizer que a Embolização me possibilitou ter hoje uma gravidez saudável.




R.C.S. | médica | Rio Grande do Sul

Em 2014 eu já tinha conhecimento de que apresentava miomas intramurais, submucosos e subserosos e passei a apresentar fluxos menstruais muito intensos e cólicas menstruais, que interferiam na minha qualidade de vida.

Na ocasião, fiz o uso de Zoladex no intuito de regredir o volume dos miomas e posteriormente realizei miomectomias por videolaparoscopia e histeroscopia. Apresentei pouca melhora clínica em relação ao sangramento, mas a cavidade endometrial esboçou um pouco de melhora. Foi-me indicada a fertilização in vitro, realizei o estímulo e consegui fazer reserva embrionária para posterior transferência, tendo em vista que meu útero ainda apresentava inúmeros miomas. Após alguns meses, realizei duas transferências embrionárias, mas não consegui engravidar.

Além disso, devido ao uso de hormônios para o preparo do endométrio para a transferência de embrião, meus miomas cresceram demasiadamente. Meu médico então sugeriu que ouvisse a opinião da Dra. Lindalva em relação ao meu caso. Ele já considerava meu útero altamente tendencioso à uma histerectomia se optasse por nova técnica cirúrgica, então deveríamos tentar algo que preservasse meu útero e que mantivesse a possibilidade de eu gestar futuramente. Ao consultar a Dra. Lindalva e ouvir sua opinião e experiências em casos semelhantes, senti que havia uma grande possibilidade de melhora clínica do sangramento, das dores e regressão dos miomas após a técnica de embolização das artérias uterinas. Realizei o procedimento e, na menstruação seguinte, já pude observar a significativa redução do volume menstrual. Meu útero apresentava volume de 655cc antes da embolização, os maiores miomas mediam 6,8 cm (vol 89cc) e 6,6 cm (vol 77cc).

Hoje, após 12 meses de embolização, meu útero tem 215cc de volume, os maiores miomas medem 4,2 cm (vol 32cc) e 4,0 cm (vol 24cc). Estou em acompanhamento regular com a Dra. Lindalva durante esses meses, realizando ressonâncias de controle. Ela sempre foi muito prestativa e atenciosa às minhas dúvidas, só tenho a agradecer. Estou muito satisfeita com o procedimento e com o resultado que ele proporcionou, principalmente por ter recuperado a qualidade de vida no período menstrual.




D.O.C. | São Leopoldo | Agosto/2017

Em agosto de 2015 descobri um mioma uterino com 6 cm, motivo do sangramento excessivo no meu ciclo e de cólicas terríveis. Passei por 2 ginecologistas e depois de alguns exames a única opção era a cirurgia para retirada do mioma (miomectomia), onde o risco de perder meu útero era grande. Com medo da cirurgia, eu resolvi esperar e buscar por outras alternativas (ou esperar um milagre).Depois de muita pesquisa e algumas decepções encontrei a Dra. Lindalva, que prontamente me atendeu e esclareceu todas as minhas dúvidas sobre o procedimento. Cheguei a sangrar durante 3 longos meses sem parar e o resultado foi uma anemia profunda, onde quase precisei passar por uma transfusão antes da embolização.

Passei pelo procedimento no dia 27 de Maio de 2016 (o mioma já estava com 8cm) e no outro dia já voltei pra casa,sem dores nem sangramentos e, em apenas uma semana, já estava recuperada e feliz novamente. Passados 2 meses expeli parte do mioma e a partir disso só vieram boas notícias.

Hoje, depois de pouco mais de um ano embolizada (onde tive todo acompanhamento da Dra.), estou perfeitamente bem, meu útero está normal e já posso engravidar sem nenhum problema. Só tenho a agradecer a Dra. Lindalva por toda atenção com que sempre me atendeu, por ter sido minha luz no fim do túnel, por ter me livrado da possibilidade de perder meu útero e por me devolver a vida normal que eu tinha antes desse maldito mioma.




E.R.K e Angela | Pelotas

Passado o final de semana maravilhoso de dia das mães e ainda em tempo de dividir com vocês a alegria, pelo primeiro mês de vida da minha filha (comemorado ontem), vim finalmente deixar o meu depoimento aqui!!! Essa bebezona linda e saudável que vocês estão vendo aí na foto, é a Angela, minha menina! Ela nasceu no dia 18 de abril de 2017, com 39 semanas e dois dias, 49,3 cm e 3.120 kg e eu a considero um milagre. Há 8 anos, em 2009, durante um exame transvaginal de rotina, tomei conhecimento de que haviam inúmeros miomas no meu útero. Desde então, a dificuldade ou mesmo a impossibilidade de engravidar, passaram a me assombrar. Na época, eu tinha 28 anos e não pensava em ter filhos, mas procurei não ser negligente com meu futuro e com a minha saúde, pois considerei a possibilidade de em algum momento, dentro de alguns anos, desejar ser mãe! Então em 2010, realizei uma miomectomia por videolaparoscopia, onde foram retirados os 3 maiores miomas.

Ganhei um pouco mais de tempo... Naquele ano eu estava lidando com uma mudança de cidade, o término de um noivado, e o início de um projeto profissional... Por isso a maternidade tinha que esperar. Após o procedimento, o volume do útero diminuiu um pouco, assim como o sintomas, e trimestralmente passei a realizar o controle dos miomas, conforme o indicado. Eles iam crescendo e se multiplicando aos poucos e as chances de ser mãe, diminuiam com o passar do tempo... Em 2013, surgiu a oportunidade de fazer parte do meu doutorado no Canadá. Antes de ir embora, fiz um ultrassom como o de costume, e constatei que o número de miomas e o tamanho do útero haviam aumentado tanto, que Já havia indicação para uma histerectomia.

Foi então que o meu ginecologista, me encaminhou para a Dra. Lindalva. Eu estava com 32 anos, e a essa altura me entristecia imensamente a idéia de retirar o útero e acabar completamente com qualquer chance de engravidar. Antes de ir, portanto, fizemos a embolização! Procedimento rápido, recuperação rápida, tudo perfeito! Fiquei um ano fora do país.. Voltei e segui minha vida, entregando o futuro para o destino... Foi então que no dia 12 de setembro do ano passado, no dia do meu aniversário, e 3 anos após a embolização, soube que estava grávida!!! Só tenho a agradecer ao meu ginecologista e principalmente à Dra. Lindalva por terem me dado o tempo que eu precisava para ser mãe! Sem eles, minha filha não estaria aqui!!! Obrigada Dra. Lindalva! Espero que muitas e muitas mulheres com situação semelhante à minha, possam ter a sorte mesma sorte que eu, de contar com a tua habilidade, competência, determinação, profissionalismo e atenção!

Beijos, cheios de carinho




S.S.M. | Sagrada Família

Meu nome é S.S.M, tenho 28 anos e moro em Sagrada Família/RS. Em outubro de 2015, descobri que o motivo de sangramentos além do normal e coagulações durante meu período menstrual eram causados por alguns miomas no meu útero(pelo menos 4). A primeira frase que eu ouvi do médico que realizou a primeira ultrassom, depois dele me perguntar se eu já era mãe eu responder que não, foi: Sinto muito "baixinha", mas você tem um mioma gigante no seu útero. Vai ter que retirar tudo. Porque você está chorando ? Não é um câncer. Existe outras formas de ser mãe. Foram exatamente essas palavras.

Não conformada, é claro, fiz varias pesquisas na internet sobre miomas e possíveis tratamentos sem a retirada do útero. Também passei por vários outros médicos, mas sempre ouvindo a mesma resposta. Uma certa vez, me receitaram até remédio para endometriose, que nada tinha a ver com o meu quadro.

Sobre um tratamento alternativo, que não fosse preciso a retirada do útero, li sobre embolização de miomas, mas tinha muitas incertezas. Até que passei por mais uma consulta, quase sem esperança, a médica me indicou a Dra Lindalva, dizendo que já tinha indicado uma outra paciente que tinha um volume de útero acima de 900cm³ e que mesmo assim, depois do tratamento conseguiu engravidar. Esperança renovada e surpresa ao mesmo tempo, porque eu já tinha colocado na ideia que esse tipo de tratamento só existia em São Paulo e no Rio de Janeiro. Meu volume uterino chegou a 729cm³. Não aguentava mais a baixa qualidade de vida devido as fortes dores que sentia, as hemorragias, desconforto abdominal e etc.

Enfim, passei pela consulta com a Dra Lindalva que muito pacientemente e atenciosa me tirou TODAS as dúvidas e me passou toda a confiança possível através da sua experiência de sucesso na realização do tratamento. Realizei o procedimento em agosto de 2016 e agora, quase 8 meses depois, o volume do meu útero já reduziu bastante, próximo de 50%, me trazendo a qualidade de vida que eu tinha antes de toda essa situação. Acredito que até que complete 01 ano da embolização, o resultado será ainda muito melhor.

Agradeço de coração a Doutora Lindalva e sua equipe por toda sua dedicação e compromisso.




M.A.A.S. | Porto Alegre

Realizei a embolização julho/2015 com a Dra. Lindalva. Porque estava com três miomas, eles me faziam ter hemorragia no meu ciclo menstrual. Hoje, estou maravilhada com o resulta que este procedimento fez... Eles diminuíram bastante, meu ciclo está com pouco fluxo. Sendo este normal, sem contar que o método utilizado não deixa marcar. O que é muito bom, por ser um método nao invasivo, sem contar a dedicação da Dra. Lindalva em suas consultas e acompanhamento com o paciente para ver o resultado.

Dra. a Sra., está de parabéns por essa benção de curar suas paciente.




F.R.M.C. | Canoas

Em 2014 eu comecei a ter alterações no ciclo menstrual, com ciclos mais longos, fortes cólicas e maior fluxo de sangramento.

Depois de alguns meses nesta condição, fui à uma ginecologista que me encaminhou para um exame de ecografia transvaginal que confirmou a presença de dois miomas uterinos. Após seis meses deste diagnóstico, procurei um especialista que fizesse a remoção destes miomas através da técnica de hesteroscopia. O médico então solicitou outro exame de ecografia transvaginal que confirmou a presença dos dois miomas (um submucoso e outro intramural) sendo que o maior (submucoso) possuía volume aproximado de 4cm3.

Após realizar uma hesterescopia no hospital Moinhos de Vento em Porto Alegre, recebi a informação que a cirurgia não obteve o resultado esperado devido, um dos miomas ser maior do que aparentava na ecografia, impedindo sua remoção por esta técnica.

Ainda com estes miomas, hemorragias e muitas cólicas, descobri através de uma pesquisa, a Dra. Lindalva Bertelli Fernandes e a técnica de embolização. Marquei então uma consulta na qual a doutora, com muita paciência, tirou todas as minhas dúvidas e do meu marido nos passando muita confiança sobre esta técnica.

Ela me encaminhou então para um exame de ressonância magnética da pelve , que mostrou a presença de três miomas, sendo que o maior (submucoso) possuía 2,4 x 1,9 x 1,7cm (4cm3). Marcamos então a embolização, também no hospital Moinhos de Vento em novembro de 2015, a recuperação foi muito rápida, e agora em abril de 2016, realizei a segunda ressonância pós-embolização, que confirmou uma diminuição de quase 90% do tamanho dos miomas. Um dos miomas desapareceu, o outro está quase desaparecendo e o terceiro, que era o maior e o que me causava mais incômodo reduziu para 1,0 x 0,9 x 0,9cm (0,42cm3), e isso tudo em apenas 05 meses após a cirurgia.

Realmente valeu muita a pena e estou muito feliz com o resultado.

Obrigada pelo ótimo atendimento, pela eficiência e excelência no tratamento e principalmente pelo carinho e atenção demonstrado.





F.S.R.P. | São Leopoldo

Há quase um ano descobri que estava com 3 miomas Subserosos, 2 pequenos, medindo 1,9 cm³ (no exame prévio media 2,5 x 2,3 x 2,0 cm, com volume estimado de 6,0 cm³) e 1 gigante, medindo 15,9 x 10,4 x 13,5 cm, (com volume estimado de 1160,8 cm³; meu útero media: 19,4 x 14,1 x 10,5 cm, com volume estimado de 1.493,5 cm, estava com um grande aumento de tamanho no útero. Só encontrei o diagnóstico após minha barriga aumentar de tamanho, minha bexiga começar a doer muito e realizar uma ecografia transvaginal, pois o surgimento e crescimento dele foi muito silêncio. Nas consultas periódicas com minha ginecologista o mioma não aparecia, somente em um exame mais detalhado.

Comecei a me aprofundar sobre o caso, me consultei com 4 a 6 especialistas e a respostas de todos foi à mesma, que o meu estado era muito grave, estava com um mioma gigantesco, que a única solução era a retirada total do útero, até mesmo um especialista que fazia embolização, não quis assumir meu caso. Meu mundo caiu, nunca senti o que passei, uma dor na perda do meu corpo, um sonho de não poder gerar um filho, sendo acabado, e esperança futura arrancada de mim! Não desejo isso a ninguém, NUNCA! Até que eu, juntamente com minha mãe, sempre ao meu lado, não esgotamos nossas esperanças, e continuamos a procurar mais especialistas que realizassem o tratamento de mioma no Brasil inteiro.

E graças a Deus encontramos a Dra. Lindalva. Ela nos recebeu muito bem, paciente, nos explicou tudo sobre o procedimento que realiza, inovador, sem conseqüências futuras, pelo contrário. Informou até que pelo tamanho do mioma, gigante que possuía, que estava muito vascularizado, o mais indicado era fazer a embolização, para posteriormente efetuar uma micro cirurgia ou nova embolização, pois, certamente se fizesse uma cirurgia com o mioma daquele tamanho correria risco de vida, pois teria uma hemorragia. A Dra. Lindalva nos passa uma segurança e tranqüilidade, além de ser muito profissional.

Em outubro de 2015, realizei a embolização. O atendimento, profissionalismo e dedicação da Dra. Lindalva foram essenciais no meu procedimento e recuperação. No procedimento por ter corrido tudo certo e me acompanhar, e na recuperação por todo o atendimento e atenção que precisei, a qualquer hora, isso não tem preço, com certeza a Dra. Lindalva faz a diferença. Como o meu mioma era muito grande, fiquei alguns dias em recuperação, mas nem se compara a uma cirurgia mesmo. Tomei alguns medicamentos para dores e após a suspensão pensei que iria doer mais, mas não tive muitas dores. Acredito que depende de pessoa para pessoa.

Meu procedimento foi um sucesso, estou muito feliz! Durante um ano vou fazer um acompanhamento de 3 em 3 meses com o exame de ressonância magnética para verificar o tamanho que o mioma se encontra, devido o desenvolvimento da embolização neste período. Estou muito feliz, pois, em março realizei a primeira ressonância, após o procedimento, e o resultado foi, a diminuição do meu útero para 14,5 x 10,0 x 8,0 cm de diâmetros, com volume estimado de 603cm³, os miomas diminuíram, o mioma gigante passou para 11,5 x 9,3 x 9,1 cm, com volume total estimado de 506 cm³, e os outros dois miomas, 1 medindo, 2,5 x 2,3 x 2,0 cm, com volume estimado de 6,0 cm³,e o outro sumiu.

Tenho certeza que eles diminuíram de tamanho, aguardo outros encaminhamentos ou a alta da Dra. Lindalva para realizar meu sonho de ser mãe! Agradeço imensamente a Dra. Lindalva que esteve e está ao meu lado. Que este depoimento possa ajudar muitas mulheres que estão passando por um momento igual ou parecido. Não desistam, lutem, mesmo que muitos profissionais digam que não tenham mais solução, como foi o meu caso, procurem a Dra. Lindalva, que com certeza irá ajudá-las!





G.A.G. |Caxias do Sul

Gostaria mais uma vez de deixar o meu relato em relação ao excelente atendimento da Dr. Lindalva Fernandes.
Realizei todo o tratamento conforme orientações dela em 2014 e hoje estou curada, sem miomas. Tive alta médica e liberação para realizar as minhas atividades físicas.

Estou muito feliz. Me sinto ótima. Obrigada mais uma vez pelo carinho e excelência no atendimento Dr. Lindalva Fernades.




C.S.B.S - 41 anos

Sentia uma certa rigidez no abdômen ao tocar, mas a prática de atividade física fazia supor que era parte da formação de um “tanquinho”, como se diz. Em cerca de um ano foi ficando ainda mais rígido, disforme e abaulado para a direita. Visualmente parecia uma gravidez no terceiro ou quarto mês (posteriormente soube que meu útero estava com tamanho compatível com uma gravidez entrando no quinto mês!). Foi aí que as buscas na internet retornaram o diagnóstico para os meus sintomas: miomas.

Cheguei ao site da Drª Lindalva através destas buscas e profetizei: É isso que eu tenho e a embolização das artérias uterinas é o método de tratamento a que vou me submeter! Bom, agora teria que procurar auxílio médico e saber o que de fato estava ocorrendo, pois até aí eram as minhas leigas suposições e convicções.

O resultado do primeiro exame foi assustador; com as 3 dimensões do maior mioma fiz um paralelepípedo com papel de revista, medindo 10cmx9,4cmx6,7cm! A gineco encaminhou para o cirurgião e este confirmaria as previsões que ela havia dado; deste tamanho, somente extirpação total, útero e miomas (pois havia mais uns 5, além do maior, subserosos e intramural). Perguntei sobre a embolização como forma de tratamento e obtive como resposta que “Isso se faz em São Paulo!” e desconsiderou a possibilidade de tratar por este método. Como eu já tinha lido sobre o assunto, disse: Não, isso se faz em Porto Alegre!

Fiz os exames pré-operatórios. Mais que a retirada do útero, preocupavam-me a cicatriz que deixaria a cirurgia (pois o médico já havia avisado que não seria corte de cesariana, seria maior por causa do tamanho do mioma), o tempo necessário para recuperação frente a um método tão invasivo (bem como os riscos normais, infecção hospitalar, etc), além dos danos psicológicos que poderiam surgir pelo fato de estar mutilada e incapacitada para a maternidade, ainda que não esteja em meus planos ter filhos.

Será que nunca mais eu usaria um biquíni? Decidi que só desistiria da embolização se fosse convencida por um profissional competente, através de argumentos fundamentados, de que não seria possível para o meu caso.

De posse de meus exames preliminares, marquei uma consulta com a Drª Lindalva. Extremamente atenciosa e sem pressa no atendimento (algo raro em médicos), explicou-me sobre o tratamento, os exames necessários e o acompanhamento posterior. Então solicitei referência de ginecologista que conhecesse o método de tratamento e que tivesse indicado a alguém, a fim de que avaliasse o meu caso.

Escolhi um dos dois nomes sugeridos e fiquei feliz por saber que a opinião desta 3ª gineco ia de encontro com o que eu desejava como tratamento. Alguma insistência junto ao plano de saúde e pronto. Foi marcado o procedimento. A incisão foi mínima e não deixou nenhuma marca. Passado o desconforto das primeiras horas (sede, um pouco de enjôo e uma dor suportável, controlada com medicamentos), voltei para casa no dia seguinte. Combinamos que eu ligaria, se necessário, mas tudo correu bem e surpreendeu-me a ligação da Drª para saber notícias.

Passados os 6 meses, fiz os exames de controle e constatamos a ótima evolução do tratamento. Um ano após, com novos exames, sinto-me ótima e estou tratada!

Espero que o meu depoimento ajude pessoas que passam por situação similar. É importante questionar, buscar as informações e participar das decisões sobre a opção de tratamento a ser adotada. Imaginem quantas mulheres jovens perdem o útero desnecessariamente? A Drª permanece tão atenciosa e amável quanto na primeira consulta, louvável a competência, o interesse e a disponibilidade em nos ouvir; já não somos simples pacientes, passamos a ser parte ativa e participativa sobre o que ocorre com o nosso corpo, desde o diagnóstico até o final do tratamento. Uma rara lição de respeito.

Parabéns e obrigada Drª Lindalva!




V.D.P.| Bento Gonçalves

Meu nome é VDP, tenho 29 anos, sou natural de Bento Gonçalves e em março de 2011, descobri um mioma gigante num exame realizado para diagnosticar um cálculo na vesícula.

Fui relapsa com minha saúde, e devido a correria do dia à dia, acabei por diversas vezes postergando uma visita ao meu ginecologista, tal desleixo agravou meu problema. Quando meu mioma foi diagnosticado os médicos ficaram espantados, pois ela media cerca de 13 cm em seu maior diâmetro e o volume do meu útero era de 1.720 cm³, o equivalia mais ou menos a uma gestação de mais de 6 meses. O diagnóstico foi um só: a histerectomia total imediata. Não me conformei com esse diagnóstico e procurei outros médicos. Bati na porta de 04 ginecologistas da minha cidade, nenhum me deu um fio de esperança, todos ficavam perplexos com meu diagnóstico, chegaram até cogitar a malignidade do tumor. Por conselho de um amigo, consultei um oncologista que após um exame me confirmou o diagnóstico de miomatose uterina e me sugeriu que me informasse com uma ginecologista sobre um tratamento conservador chamado embolização uterina. Comentei sobre a embolização com minha ginecologista, e ela me comentou ter lido alguns artigos da Dra. Lindalva, mesmo pouco esperança me orientou a consulta-la.

A essa altura do campeonato já estava depressiva, ainda não tenho filhos e planejava me casar até o final do ano. Pela internet, consultei a Dra. Lindalva sobre a possibilidade de realizar o procedimento no meu caso, recebi a resposta no mesmo dia e agendei a consulta. Mesmo reconhecendo a gravidade do meu problema, a Dra. Lindalva, me passou confiança, calma e bastante otimismo, me explicou que precisaria de alguns exames mas que à princípio o procedimento poderia ser feito, o objetivo inicial era a redução do mioma para mais adiante estudar a possibilidade de realizar uma miomectomia.

Após realizar todos os exames prévios, em junho recebi com muita felicidade a informação de seria possível realizar a embolização. A Dra. Lindalva como sempre atenciosa me auxiliou em todo o encaminhamento com o plano de saúde e enfim realizei o procedimento no hospital mãe de Deus em julho. Meu pós-operatório foi praticamente indolor, e mesmo morando em outra cidade a Dra. Lindalva mantinha contato comigo, preocupada com os mínimos detalhes da minha recuperação, muito solícita me forneceu seu telefone celular e sempre me atendeu ou retornava as ligações.

Logo no mês seguinte a embolização já notei uma redução expressiva no meu fluxo menstrual, as cólicas menstruais sumiram e tive grande redução do volume abdominal. Em outubro, realizei uma nova ressonância que constatou a redução considerável do mioma e do meu útero. Em dezembro expeli um pedaço do mioma, e após comecei a sentir cólicas e corrimento provenientes da necrose do mioma. Imediatamente a Dra. Lindalva me encaminhou para um ginecologista especialista em miomas Dr. João Michelon, que confirmou a possibilidade de expulsão espontânea do mioma.

Em janeiro eu expeli o mioma por inteiro via vaginal. Ali eu encerrava um ciclo. Tinha me curado, expelido todo o tumor sem cirurgias, incisões, hospitalização, embora um pouco tortuoso, a expulsão foi espontânea. Cautelosa como sempre tanto a Dra. Lindalva como o Dr. João, me acompanham até hoje.

Não tenho palavras para expressar meu sentimento quando na minha última consulta em março deste ano, a Dra. Lindalva confirmou que não tenho mais miomas no útero, que diminui gradativamente, embora ainda esteja um pouco aumentado de tamanho o que era esperado devido a expulsão recente do mioma.

Conto minha história com a esperança que outras mulheres com o mesmo problema que optem pela embolização, um procedimento eficaz que tem mostrado excelentes resultados, muito embora, alguns médicos ainda insistam na histerectomia. Além disso, os planos de saúde são obrigados a cobrir todas as despesas do procedimento quando há indicação médica para tanto.

A embolização além de preservar o meu útero, serviu para preservar minha saúde física e psicológica. Hoje posso dizer sem sombras de dúvida, que a minha consulta a Dra. Lindalva, mudou minha vida. Aos poucos, retomo meus planos de casar e ter filhos.

Obrigada, Dra Lindalva e Dr. João Michelon, minha gratidão não tem limites.




J.A.V. | Porto Alegre

Estou com 37 anos. Aos 34, comecei a sofrer hemorragias constantes, dores abdominais, pressão na bexiga, além de apresentar um quadro permanente de anemia. Consultando médicos locais, foi constatado a existência de miomas em meu útero. Dentre várias opções apresentadas fiquei entre: passar por uma intervenção cirúrgica, histerectomia (retirada do útero) ou miomectomia (retirada do mioma). Após pesquisas na internet, li sobre uma técnica nova, denominada "embolização da artéria uterina". Optei pela embolização principalmente por ser minimamente invasiva e de recuperação rápida além é claro, de poder manter meu útero. Confesso que sou bastante reticente quanto à qualquer tipo de intervenção cirúrgia, mas afirmo que se tivesse que fazer outra embolização, faria com maior prazer. Pois, exceto alguns enjôos horas depois da cirurgia, não senti absolutamente nada. Nem dor, nem cólicas, nem tonturas, sequer a visualização da cicatriz!!! Há tres anos fiz a embolização e nunca mais sofri com hemorragias e gozo de perfeita saúde. A embolização é um procedimento minimamente invasivo, rápido, seguro e eficaz. Não me arrependo do método escolhido e recomendo este procedimento para quem está passando por um problema similar ao que eu passei.

Agradeço a efiência da Dra. Lindalva Bertelli Fernandes que tão amavelmente respondeu todos os meus questionamentos pré intervenção bem como seu pronto atendimento.




M.A.G.B. | Porto Alegre

Eu M.A.G.B., 48 anos, natural de Porto Alegre, tive diagnóstico de útero miomatoso. E a solução dada pelo médico era fazer uma histerectomia e eu não aceitei retirar meu útero. Então, pela internet, eu ví o site da Drª Lindalva, que dava uma outra opção para mulheres com miomas. Em Janeiro de 2011, me submeti a embolização de miomas e foi um sucesso. Parou meu sangramento, diminuiu o tamanho dos miomas e o útero está quase no tamanho normal. Eu fiz e recomendo.




M.S.Z | Pomerode/SC

Tenho 43 anos, não tenho filhos, tive um mioma há alguns anos. Este ano, para minha surpresa após um exame com meu médico, constatou vários miomas, e falou que precisava retirar o útero. Fiquei abalada, sem chão, estava com 9 miomas. Eu tinha forte hemorragia e cólicas durante a menstruação. Comecei a procurar outro método, e para minha sorte encontrei a Dra. Lindalva; entrei em contato e foi muito atenciosa. Fui a Porto Alegre fazer a embolização dos miomas: simplesmente sensacional, não tenho palavras para agradecer a Dra. Lindalva e sua brilhante equipe juntamente com o Hospital Moinhos de Vento. A cirurgia foi um sucesso, a recuperação foi tranquila e rápida; no mês seguinte o fluxo menstrual parou consideravelmente, não tive mais nenhuma cólica, fique muito feliz.

Recomendo a todas a embolização.




A.A.B. | Sorriso/MT

Recomendo o procedimento de embolização de miomas uterinos para mulheres que estão vivenciando tal problema. Fiz o procedimento há 10 meses, e o mioma já regrediu pela metade. As cólicas menstruais desapareceram, o fluxo menstrual que antes era de hemorragia agora está normalizado, pois chegava a usar 3 pacotes de absorvente noturno em 2 dias, agora uso somente a noite mesmo, 1 pacote dá para usar em 3 meses. As dores nas costas, no baixo ventre e durante o ato sexual desapareceram.

Abraços fraternos.




V.I.S. | Porto Alegre

Há um ano descobri que tinha um mioma uterino submucoso intramural que ocupava cerca de 50% da cavidade do útero. Este mioma me fazia perder muito sangue, o que causou anemia. Pelo procedimento cirúrgico tradicional (miomectomia) eu corria o risco de perder o útero. Procurei uma alternativa e encontrei a embolização. Fiz várias pesquisas a respeito da embolização e optei por este tratamento. Após 10 meses o mioma reduziu 90%, com grandes chances de desaparecer totalmente. O procedimento de embolização não foi doloroso, não tenho nenhuma cicatriz e fiquei apenas um dia e meio no hospital. Recomendo a todas as mulheres com miomas que avaliem a embolização antes de optar pela retirada do útero.




C.F.M. | Porto Alegre

Já há alguns anos descobri miomas uterinos que cresciam com o passar do tempo e vínhamos acompanhando através de exames mas o que mais me incomodava mesmo eram as fortes cólicas que sentia, grande sangramento e dores horríveis que mudavam meu humor, tiravam toda minha disposição para o trabalho e rotinas da vida, enfim, uma verdadeira baixa qualidade de vida. Então um dia minha gineco falou sobre a Dra. Lindalva e seu trabalho com a embolização de miomas e depois de um tempo naquela mesma situação bastante traumática que já vivia há anos, fui procurar a Dra. para conhecer sobre a embolização e seus benefícios e para minha surpresa, na RM pré embolização ficou claramente constatado que além dos miomas eu tinha muitas regiões de adenomiose, o que com certeza fazia com que minhas dores fossem mais acentuadas ainda. Com isto, já decidimos pela embolização e sinceramente, hj com 48 anos, sinto tanto não ter conhecido este há alguns anos atrás, quanto sofrimento teria evitado, mas agora tudo passou, sou outra pessoa com certeza, foi um divisor de águas na minha vida podem apostar. Não sinto mais dor alguma, meu ciclo acontece mensalmente super tranquilo, quase sem perceber sua chegada, meu fluxo diminuiu muito, e meu útero já está quase do tamanho normal. Agora vida normal que toda mulher merece ter.




F.S. | Porto Alegre

"Fiz a embolização de miomas uterinos em novembro/2014 e recuperei a minha qualidade de vida, deixei de sentir dores e sangrar excessivamente no período menstrual. Graças a Deus, minha médica indicou-me a Dra. Lindalva, que é super atenciosa e uma excelente profissional, me senti super segura com ela e sua equipe. Não precisei realizar a histerectomia e ainda pretendo ser mãe, pois meu útero está voltando ao tamanho ideal para essa finalidade! Pretendo entrar em contato com o profissional indicado pela Dra. Lindalva para congelar os óvulos. Recomendo demais a embolização de miomas uterinos, pois trata-se de um método minimamente invasivo, realizado sob anestesia local e que não precisa de pontos, pois não são feitos cortes, sendo uma técnica totalmente indolor e que não deixa cicatriz nenhuma, como explicou-me a Dra. Lindalva na primeira consulta que tive com ela, e como também pude comprovar mais tarde, no momento em que realizei a intervenção, e permaneci somente 24h no hospital. O avanço da tecnologia é algo maravilhoso, e às vezes não damos o devido valor ao progresso na área médica, pois, em tempos atrás, talvez a única opção que eu tivesse fosse a retirada do útero, e isso não precisou ocorrer!

Um beijão para a senhora e muito obrigada por tudo!




M.R.H.K. | Porto Alegre

Quero deixar o meu depoimento aqui para alertar a todas as mulheres que é possível sim tratar mioma sem ter que passar pela histerectomia. Descobri o procedimento da embolização de mioma uterino por indicação de uma amiga da minha irmã, que ficou muito satisfeita com os resultados do procedimento feito pela Dra. Lindalva Bertelli. Eu já tinha mioma antes de engravidar (e o período menstrual era de intenso sangramento!), mas foi depois do parto que a situação se agravou mesmo, pois até eu descobrir que o sangramento não era o normal do pós-parto, eu passei por consultas e exames médicos ginecológicos (tomei anticoncepcional e depois coloquei DIU – nenhum funcionou para segurar o sangramento!), minha médica disse que provavelmente eu teria que fazer uma histerectomia, pois o meu mioma estava posicionado num local ruim para removê-lo. Fiquei super chateada porque ainda não tinha certeza se queria ter mais filhos. 

Mas felizmente tomei a decisão de comunicar a minha ginecologista que gostaria de fazer a embolização, embora ela mesmo não acreditasse muito no sucesso do procedimento. Fiz a embolização do(s) mioma(s) uterino(s) em março de 2015 e recuperei a minha qualidade de vida, deixei de sangrar excessivamente todos os dias (Isto mesmo! Eu sangrava muito, todos os dias! Fiquei inclusive com anemia!).

A Dra. Lindalva é super atenciosa e uma excelente profissional, me senti super segura com ela e sua equipe. Depois de 6 (seis) meses não havia mais nenhum mioma! Incrível! Parou totalmente o sangramento e meu período menstrual é de 2 dias, sangrando pouquíssimo!!!! O método da embolização é minimamente invasivo, realizado sob anestesia local e que não precisa de pontos, pois não são feitos cortes, sendo uma técnica totalmente indolor, fiquei somente um dia no hospital.

Amei!!! Obrigada por tudo Dra. Lindalva! Parabéns!!